As sombras de Van Gogh: Vida refletida em sua Arte

Demorei para escrever sobre ele. Desculpa! Foi por causa desse vídeo que me levou a escrever esse post. Incrível ver as sombras de suas obras ganharem vida!

Confesso já de cara que é um dos meus pintores preferidos. Ok, ele virou “pop” e vejo a razão por trás de tanto sucesso. Ele foi um artista incompreendido e ignorado na maior parte de sua existência mas, ainda bem que sua obra se tornou parte de nossas vidas.

Para mim especialmente, além de refletir as características humanas, graça e drama, talento e loucura, doença e vivacidade, antônimos de um verdadeiro gênio de pinceladas fortes, agressivas, coloridas e cheias de movimento.

(Chorei)

Não poderia deixar de contar a sua biografia (vale a pena perder um tempinho):

Paris-Musee-DOrsay-Vincent-van-Gogh-1889-Self-Portrait-2-Close-Up

Começou a trabalhar ainda muito jovem, por volta dos 15 anos. Porém, o interesse pelos assuntos religiosos acabou desviando sua atenção e resolveu estudar Teologia (isso me surpreendeu!), na cidade de Amsterdã.  Mesmo sem terminar o curso, passou a atuar como pastor na Bélgica, por apenas seis meses. Posso dizer que ficou impressionado com a qualidade de vida dos trabalhadores de minas, desenhando-os no papel a lápis.

Retornou a Haia, em 1880, e passou a se dedicar à pintura. Começou a elaborar uma série de obras, utilizando técnicas de jogos de luzes. Neste período, suas telas retratavam a vida cotidiana dos camponeses e os trabalhadores na zona rural da Holanda.

Em 1886, foi  morar em Paris, com seu irmão. Conheceu importantes pintores da época como, Emile Bernard, Toulouse-Lautrec, Paul Gauguin e Edgar Degas (ai como queria estar junto!!!). Foi bastante influenciado por estes mestres do impressionismo, como podemos perceber em várias de suas telas.

Dois anos após ter chegado à França, parte para a cidade de Arles sendo ma região rica em paisagens rurais, pintou várias obras com girassóis.  Em Arles, fez único quadro que conseguiu vender durante toda sua vida : A Vinha Encarnada. 

Convidou Gauguin para morar com ele no sul da França (chama eu também!). Este foi o único (corajoso)  que aceitou sua ideia de fundar um centro artístico naquela região. No início, a relação entre os dois era tranqüila, porém com o tempo, os desentendimentos foram aumentando e, quando Gauguin retornou para Paris, Vincent entrou em depressão.  Em várias ocasiões teve ataques de violência e seu comportamento ficou muito agressivo. Foi neste período que chegou a cortar sua orelha.

Seu estado psicológico chegou a refletir em suas obras. Deixou a técnica do pontilhado e passou a pintar com rápidas e pequenas pinceladas. No ano de 1889, sua doença ficou mais grave e teve que ser internado numa clínica psiquiátrica. Nesta clínica, dentro de um mosteiro, havia um belo jardim que passou a ser sua fonte de inspiração. As pinceladas foram deixadas de lado e as curvas em espiral começaram a aparecer em suas telas.

No mês de maio, deixou a clínica e voltou a morar em Paris, próximo de seu irmão e do doutor Paul Gachet, que iria lhe tratar. Este doutor foi retratado num de seus trabalhos: Retrato do Doutor Gachet. Porém a situação depressiva não regrediu. No dia 27 de julho de 1890, atirou em seu próprio peito. Foi levado para um hospital, mas não resistiu, morrendo três dias depois. 😦 Mas, deixou um legado incrível!

unnamed

A Noite Estrelada
Período: Pós-impressionismo
Localização: Museu de Arte Moderna
Criação: junho de 1889
unnamed (1)
Noite Estrelada Sobre o Ródano
Criação: setembro de 1888
Localização: Museu de Orsay
Gênero: Pintura de paisagem
Shiva1
Terraço do Café na Praça do Fórum
Período: Pós-impressionismo
Criação: setembro de 1888–16 de setembro de 1888
Localização: Rijksmuseum Kröller-Müller
Camera_da_Letto_Vincent_van_Gogh
Quarto em Arles 
Criação: 1888
Museu Van Gogh – Amsterdã

Curiosidades:

  • Van Gogh queria que suas telas tivessem o mesmo efeito  direto e fortes gravuras coloridas japonesas que tanto admirava.
  • Ele absorveu lições do impressionismo e do pontilhismo de Seurat.

66b02bdc1e2491fafda886840d33ab1b79c04645Georges Seurat – A Ponte de Courbevoie (1886) 

  • Van Gogh usou cada pincelada não apenas para dispersar a cor, mas também para externar sua própria excitação.

“A arte é o homem adicionado à natureza.” V. Van Gogh

Obrigado aos meus professores de História por me apresentar esse livro:

12625816_10153417122073481_2045674874_nHistória da Arte – E.H. Gombrich (meu livro de cabeceira)

Se você quer sair do superficial e se aprofundar em história da arte, eu recomento!

Esse vídeo é sensacional!

E, por último um dos meus filmes preferidos:

Dreams – Akira Kurosawa (1990)

*Fontes: Museu Van Gogh, Wikipedia, contioutra e Gombrich. 

2 comentários em “As sombras de Van Gogh: Vida refletida em sua Arte

  1. Adorei o artigo, excelente!
    O episódio do Doctor é um dos meus prediletos de todos os tempos.
    Recentemente li o quadrinho Vincent – a história de Vincent Van Gogh, de Barbara Stock. Recomendo bastante.

    Curtir

    1. Obrigado, Rodrigo! Infelizmente muitas pessoas o estereotipam apenas por sua doença e esquecem que o talento dele era muito além de sua época. Ele é taxado como impressionista mas acredito que não se encaixa em nenhum padrão. Vou procurar sobre esse quadrinho da Barbara!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s